quinta-feira, 22 de junho de 2017

Café Royal XXV

Armad(ilha)dos…

No calor da tragédia disseram-nos que “tudo tinha sido feito”. Mas, esse “tudo” foi exatamente o que potenciou mais esta calamidade e todas as que se repetem, ano após ano. Em 40 anos, Portugal foi um país incapaz de se desenvolver de forma estruturalmente equilibrada. Emigração, deslocalização, desertificação, envelhecimento, abandono, avareza, corrupção… Estes são apenas alguns dos mecanismos da bomba-relógio em que se transformou o país. E a culpa é de todos nós! Cidadãos, porque nos alheamos progressivamente da responsabilidade que temos para com a terra e a comunidade. E políticos, porque, conscientemente, abdicam do futuro em prol da próxima eleição… Lá é o fogo, nas ilhas é a água. Chuva e mar, são os agentes recorrentes das tragédias que fustigam a região. E a atividade sísmica e vulcânica, mas que, elas próprias, podem, hoje em dia, com alguma segurança, ser monitorizadas. Porém, também nos Açores se fechou criminosamente os olhos aos riscos sinalizados e calculáveis. Esbanjámos dinheiro em obras faraónicas e festas fúteis, em vez de o usar em políticas corajosas de ordenamento do território, colocando, com isso, as nossas comunidades à mercê duma verdadeira armadilha, em contagem decrescente até à próxima tragédia. Nesse dia, algum político dirá que “tudo foi feito”, sabendo ele que, numa gaveta qualquer, jaz, escondido, um relatório técnico que avisava para o perigo…

in Açoriano Oriental

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Café Royal XXIV

Roaming

Uma conquista civilizacional da globalização é a mobilidade. A possibilidade, a custos cada vez mais reduzidos, dos cidadãos se deslocarem entre países e conhecerem o mundo. Nos últimos 150 anos viajar transformou-se de um privilégio quase aristocrático numa opção individual. O ganho civilizacional que advém do contacto com outras culturas, outras línguas, outras sociedades é incomensurável, mas têm uma tradução imediata – a capacidade de nos entendermos, como seres humanos, independentemente da cor da pele, da religião ou da raça. Eu serei Pedro quer aperte a mão a um Pierre ou a um Peter e vice-versa… Esta abolição de fronteiras, de barreiras, foi e é um dos pilares fundamentais da construção europeia e é, também, nas questões práticas que se alicerça o seu simbolismo. Fez esta semana 30 anos que foi instituído o programa Erasmus, um dos mais importantes instrumentos de intercambio estudantil do mundo e uma das pedras fundamentais da solidez do projeto europeu. É nestes gestos, como por exemplo, na abolição das taxas de roaming, que se sustenta a ideia de uma Europa unida e interdependente feita não de estatísticas, mas de pessoas. Existem ainda restrições, na maioria financeiras, a esta democratização, mas todos os passos que dermos em defesa das liberdades individuais, para lá da fronteira das nações, será mais um passo na afirmação de uma globalização de pessoas e de um mundo melhor.

in Açoriano Oriental

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Café Royal XXIII

Das coisas

Na volta do tempo regressa o Verão. Regressam os dias cálidos, banhados de sol e mar e do riso das crianças. Volta o Verão e a vontade de sal e de mergulhos infantis na fluidez das águas. No último fim-de-semana regressámos ao mar, demos mergulhos, as crianças correram pela areia e esbracejaram em translúcidas piscinas, com a intuição própria da infância. Na ilha, onde não há primavera, onde o inverno se desfaz subitamente na incidência do calor, é o corpo que acode à mudança. É a pele que acolhe em cor a força da luz. Longe vai o tempo em que o mar, a cadência das ondas, era para mim uma constante permanente. Sem o calendário das estações, sem a voracidade das obrigações do dia-a-dia, das pequenas coisas estupidamente transformadas em grandes, esquecidos, pela força imposta do quotidiano da vida, que é nos momentos puros que chegamos à razão de Ser, à razão do Ser. Fui levado, ou deixei-me ir, nessa enxurrada cega das preocupações diárias, das contas para pagar, dos horários fixos, das obrigações fúteis? Em que momento perdi de vista o prazer das coisas límpidas e verdadeiramente importantes? Não procuro morrer para voltar ao mar como disse Sophia. Regresso ao mar, pela mão do amor e das crianças, para resgatar antes a vida dessa quase morte das pequenas coisas quotidianas.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Café Royal XXII

O lago

Surpreendentemente, foi Angela Merkel quem fez o mais límpido resumo do autêntico circo voador que foi a tour internacional de Trump. A Europa está por sua conta - anunciou, desalentada, a chanceler. Frase pesarosa, com tanto de augúrio como de sentença: por um lado a constatação da inadiável necessidade de a Europa aprofundar a sua união é um auspício importante, mas fazê-lo por oposição ao seu mais pródigo filho é uma triste condenação. Só por ignorância se pode querer ostracizar a América daquilo que são os mais profundos interesses europeus. Também, só por cinismo se pode querer confundir a América com o Sr. Trump, por mais que discordemos dele. Cabe à Europa fazer ver à América o papel fulcral que esta desempenha nos vários equilíbrios globais, naturais ou políticos. Não o fazer é condenar a própria Europa ao vácuo internacional. Nunca esqueçamos, enquanto europeus, que as nossas liberdades são fruto da independência americana e façamos também por lembrar aos americanos que a sua posição no mundo é filha da sua atlântica união connosco. E, para nós, portugueses insulares, navegando neste meio do atlântico, esta é uma questão de vital importância. Uma Europa que desista da sua parceria atlântica com os E.U.A. coloca os Açores à mercê da nação, mais ou menos oriental, que tome para si os destinos da Terra.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Café Royal XXI

Coisas menores

Folheando os periódicos locais, no rotineiro café matinal na Tabacaria, reparo com desgosto na tendência actual dos opinadores, digamos parlamentarmente no activo, para escreverem sobre si próprios. É como se as suas colunas nos jornais se tivessem transformado em cenas dos próximos capítulos dos apartes parlamentares. Recentemente, esta propensão assumiu novos limiares no submundo da internet. Numa série de posts e comentários vários protagonistas efabularam sobre si próprios, o seu estatuto, a sua verdade, o ângulo e a visão, mais ou menos destorcida, da sua própria narrativa política. É como se todo o espaço político se reduzisse à mera existência dos seus protagonistas. O que dizem, o que fazem, como se relacionam e se destratam uns aos outros. Como se o relevante fossem os políticos em vez das políticas. São os próprios actores do teatro político que se menorizam a este papel e quando pretendem parecer que pensam o futuro da região fazem-no em fúteis comissões eventuais sobre a reforma da autonomia. O papel dos políticos é escutar e ajudar os outros e não fecharem-se sobre si mesmos. Razão tem Álvaro Monjardino quando alerta que o importante não é mexer nas instituições, mas sim um modelo de desenvolvimento económico sustentável para a autonomia. E isso, creio eu, não se encontra no Facebook…

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Café Royal XX

Da vã euforia

Já não falta cumprir-se Portugal! O 13 de Maio foi de glória, santificado por Sua Santidade O Papa e tudo. Fátima, Benfica, Eurovisão, pela 1ª vez na história todos os lares portugueses rejubilaram, os homens com o Glorioso, as senhoras com o Salvador. Mas a chama do país não esmoreceu Domingo. Segunda-feira acordamos com a boa nova dos 2,8%. A economia acelera, dizem-nos os inquéritos das estatísticas. Aleluia! Habemus crescimento! O otimismo transbordou do eixo São Bento/Belém e inundou as folhas de Excel. Só que, no mesmo dia, a mesma estatística revelou, impiedosamente, que um quarto dos portugueses vive, ou está prestes a viver, no limiar da pobreza. Incongruência? Não. O facto é que o esforço produtivo do país continua afundado no pântano burocrático e fiscal e não cria riqueza. Não há uma base produtiva sólida, tudo é etéreo e vago e prestes a desmoronar ao mínimo abalo. É que não se trata da reposição, justa, de rendimentos, nem do crescimento da produção interna alicerçada num tecido económico sólido e em bens transacionáveis de valor acrescentado, o incremento agora anunciado é obra do investimento externo e, abjetamente, dos baixos salários. A económica portuguesa é, ainda, inimiga do seu próprio fortalecimento e é vã toda esta euforia quando vivemos num país em que empreendedor rima com dor.

in Açoriano Oriental

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Café Royal XIX

O Fantasma

No Porto, após 4 anos de idílica comunhão de bens, Rui Moreira e o PS acordaram um divórcio amigável. Depois de, pela voz da sua secretária-geral-adjunta, o PS ter vindo a público dizer que quem usava as calças lá em casa era o seu partido, Rui Moreira, bem, não se ficou e pontapeou os socialistas para fora da cama. Até aqui nada de anormal, é política, mas, Rui Moreira não ficou por aqui. O autarca puxou da culatra da ameaça centralista para justificar a separação, acusando o PS de estar a “condicionar a partir de Lisboa”. Ora, é exactamente aqui que a coisa se torna séria. Quando dá jeito, reclama-se da capital o investimento e a intervenção, mas, quando não, agita-se com pujança o estandarte do regionalismo e a “questão centralista”. A verdade é que esta só existe porque as regiões o permitem e, em certa medida, o exigem. Sempre que reivindicam que o centro pague o custo da sua existência, as periferias estão a legitimar que este abuse do seu poder. Essa é que é a verdadeira “questão centralista”. Porque quanto mais autónomas e independentes forem as regiões, seja a que nível for, económico, cultural, político, etc. menor será a sua vertigem centralista e muito menos frequentes serão as sinistras aparições desse fantasma chamado centralismo que tão enraizado está no coração deste país.