quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Café Royal LX

Auto da Farsa

Acto 1. Cena 1. No palco ornamentado do seu congresso de investidura, de mãos confiantes no ambão, um líder partidário clama, aos céus, um “banho de ética”. Ao mesmo tempo, por detrás do véu, selecciona para capatazes um autarca, famoso por arregimentar militantes em descampados e prédios devolutos e uma causídica, famosa por ser discípula da igreja do despautério populista, que, e não de somenos, está a ser investigada por abuso discricionário de poder, na adjudicação de prestações de serviços, numa instituição cujo primeiro étimo é: Ordem. Em simultâneo, mas noutro local, um presidente de um clube desportivo, depois de exigir, ditatorialmente, aos seus pares (ou serão súbditos?) uma inqualificável unanimidade de apoio, tem o desplante de impor a censura aos seus servos, espécie de Torquemada de balneário. Entretanto ainda, no mais ocidental caldeirão da Europa, um parlamentar, eleito por um partido monárquico, recorre à greve de fome para exigir comida quente para a mão cheia de utentes de uma escola que é, literalmente, geminada das respectivas residências de cada um dos presumíveis beneficiários. Não há qualquer ironia em tudo isto, não há humor, nem sequer ridículo. Tudo isto está muito para lá de fado. Tudo isto é, tão somente, triste…
 
 
*versão ligeiramente revista...

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Café Royal LIX

Sexo

Que me perdoem os leitores que vierem ao engano, mas esta não é uma crónica com bolinha vermelha. Esta é uma crónica sobre tolerância e respeito pela sexualidade, a nossa e a dos outros. O carnaval é a celebração dos excessos, por antítese aos jejuns da Quaresma, e está impregnado de sexualidade. Em Portugal, é comum as mulheres despirem-se e os homens vestirem-se… de mulheres. Esta aparente ambivalência sexual dos portugueses é extraordinária. Num país onde, na maioria dos casos, as mulheres são beatas e os homens são canastrões, no entrudo são subitamente acometidos por uma vontade interior de “sair do armário”. As mulheres, que levam a maior parte do ano a esconder o corpo, usam o carnaval para, semidespidas, desfilarem enregeladas ao som de sambas importados. Os homens, que passam o ano a homofobicamente escarnecer de tudo o que seja vagamente transgénero, assaltam os armários das mulheres para se embelezarem com vestidos, maquiagens, saltos altos, pelos a sair dos collants e rolos de papel higiénico a fingir de seios. Mas isto é no Carnaval, porque no resto do ano este é um país onde um político assumir a sua homossexualidade ainda é notícia de 1ª página e 70% dos jovens consideram natural comportamentos violentos na intimidade da relação…

in Açoriano Oriental

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Café Royal LVIII

SATA

A história da SATA foi sempre uma aventura. Mas o que começou com a coragem e ousadia de um grupo de visionários empresários, apostados em criar uma centralidade açoriana, entrou, lentamente, numa rota agonizante. Como uma aeronave que se lança cegamente no mais violento dos cumulos nimbus. Nos últimos 40 anos, a companhia transformou-se num imenso tabuleiro de jogos políticos. Ao mesmo tempo, internamente, foi sendo tomada pelos interesses pessoais das suas inúmeras chefias. Encurralada num beco sem saída, literalmente como um avião voando sem combustível, a empresa vê-se hoje lançada ao turbilhão selvagem dos mercados. Em face das alternativas, a escolha é a privatização, abandonando-se o interesse público e abraçando o frio e calculista interesse privado, por mais românticos que venham a ser os cadernos de encargos. Num gesto em tudo semelhante aos muitos que foram tomados pelo anterior governo da república, o mais à direita desde a ditadura, que tudo vendeu, sem dó nem piedade. Infelizmente, essa escolha é tomada por um governo do Partido Socialista. Indesculpavelmente, essa decisão é tomada sem plebiscito, ao arrepio do seu programa eleitoral e de governo, como se a vitória em eleições fosse um cheque em branco que tudo permite. No fim, só isso ficará para a História…

in Açoriano Oriental

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Café Royal LVII

O Circo

A enxurrada de casos jurídicos transformados em notícias de última hora é ofegante e embriaga. Foi a Raríssimas, os bebés da IURD, bilhetes para a bancada VIP do estádio da luz, uma mulher assassinada depois de apresentar queixa por violência doméstica no Ministério Público, pop stars da magistratura suspeitos de vender sentenças, entre tantas outras parangonas da mesma laia num caleidoscópio inebriante e em que se mistura tudo e todos como se todo o país fosse habitado por arguidos. Pelas nossas ilhas é auditorias, comissões de inquérito, Asclépios e Arriscas. Se bem que estes dois são basicamente a mesma coisa. Hoje em dia, seguir as notícias, é mais ou menos como deitar de costas no balcão da tasca e enfiar por um funil pela goela abaixo não sei quantas garrafas de álcoois diferentes. O que vale é que no dia seguinte, contorcemo-nos com dores, mas não nos lembramos de nada. O problema disto tudo não está nas investigações, nem, tão pouco, nas notícias. Está, isso sim, na mistura entre as duas. Essa sangria barata feita de vinho de cheiro e gasosa entre casos de justiça e justiça feita nas televisões é que transforma o país num circo cheio de domadores, palhaços e malabaristas e em que nós, os cidadãos, somos tratados como bestas amestradas.

in Açoriano Oriental

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Café Royal LVI

Pontes

O distanciamento entre Madeira e Açores é tanto geográfico como histórico. Mas, paradoxalmente, os contactos entre os dois arquipélagos foram sempre muitos e variados, começando mesmo no dealbar do seu povoamento. Primeiramente habitada, é na ilha da Madeira que terão origem algumas das primeiras capitanias açorianas, da mesma forma que ao longo dos séculos foram os Açores o celeiro da Madeira. No entanto, a característica fundamental da relação entre os dois arquipélagos é a disputa entre si pela afirmação de cada um aos olhos da metrópole. Podemos até dizer que é esse, ainda hoje, o ponto primeiro do diálogo entre estas duas realidades arquipelágicas. Porém, à luz dos novos tempos, indica-nos a razão ser urgente a construção de pontes sólidas entre estas duas latitudes, há tanto desavindas. Pontes na mobilidade aérea e marítima, na representação europeia, nos domínios comercial, empresarial, turístico, ambiental, etc. São incontáveis os interesses comuns. Mesmo a afirmação da MACARONÉSIA como realidade simbólica e política transnacional, com afirmação europeia, só ocorrerá verdadeiramente quando Açores e Madeira estreitarem essas pontes. Esperemos que seja isso o que brotará dos apertos de mão que, por estes dias, trocaram Vasco Cordeiro e Miguel Albuquerque.
 

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Café Royal LV

“Centrão”

A vitória de Rui Rio abre um novo ciclo no cenário político português. O ciclo do “Centrão”. Todos conhecemos o carinho que Costa e Rio nutrem um pelo outro, nem os próprios o disfarçam. Costa recebeu o novo líder do PSD com ouro, incenso e mirra. E Rio não parou de apregoar as virtudes do “centrão”. Costa e Rio, dois veneráveis decanos das lides políticas e partidárias desejam, como pão para a boca, com o beneplácito papal de Marcelo, ofertar ao país o mítico El Dorado do Bloco Central, qual fonte da eterna juventude. Mas o problema está em que a única ambição do grande “centrão”, com os seus caciquismos, estratagemas, artimanhas, conluios e essas pútridas máquinas de formatar votos e eleitores, é a sua perpetuação no poder. O esboroar da Esquerda e da Direita, a morte das ideologias, deu nisto: a única inquietação do “centrão” é a sobrevivência dos seus aparelhos, para a qual o país é apenas um instrumento e, nós todos, nada mais do que um meio para esse fim. Coincidência, ou não, a vitória de Rio deu-se no mesmo momento em que na Alemanha Merkel e Schultz apertaram a mão para um novo entendimento ao centro, mas um centro todo ele baloiçado para a Direita. Para onde balanceara o nosso “centrão” nacional?

in Açoriano Oriental

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Café Royal LIV

Os Açores

Ao longo da História, as ilhas foram sempre a sua localização. “A importância internacional dos Açores foi lhe sempre atribuída […], pelo contexto da política internacional. A Horta já foi mais alemã e inglesa, e o porto de Ponta Delgada mais norteamericano do que britânico, ou francês […]; a Terceira, mais britânica e Santa Maria, mais americana, […] e até ainda há pouco tempo as Flores albergavam observadores balísticos franceses.” Explicou Medeiros Ferreira. Não compreender o valor arquipelágico das ilhas é falhar perceber os Açores. Nos últimos meses assistimos, com espanto e pavor, a uma incompreensível e inaceitável diatribe da Terceira contra São Miguel. Por causa do dossier Lajes, têm-se alimentado visões bairristas do arquipélago, sem o mais básico sentido histórico e noção do papel fundamental que cada uma destas nove ilhas, abraçadas de mar, têm para com cada uma das outras… Estar na Horta, com ou sem um copo de gin, pousar o olhar no canal e admirar a montanha que se agiganta acima do mar, desafiando o céu com a sua grandeza de vulcão é, se não toda, parte fundamental, da essência açoriana. Não saber aceitar isto é não saber nada. É não merecer ser Açores, seja no Royal, no Atanásio ou no Internacional…

in Açoriano Oriental